5 dicas para manter bons relacionamentos



Nos tempos atuais, uma das maiores dificuldades do ser humano é manter  bons relacionamentos. 
O novo livro de Ermance Dufaux pelo médium Wanderley Oliveira, "Jesus, a inspiração das relações luminosas", traz lições lhe que o ajudarão a enfrentar os desafios no campo dos relacionamentos. E poderá guiá-lo, também, para dias melhores e mais alegres nas experiências diárias da afetividade com seus elos de amor.
A obra estará disponível, em todo Brasil, a partir do dia 25 de maio. Mas trazemos, diretamente do livro para você, 5 dicas para manter bons relacionamentos. Confira abaixo.

1) Não julgue. Ter sempre um julgamento na ponta da língua para qualquer pessoa, cria barreiras na convivência em função do que você imagina e sente sobre o outro. O julgamento é a compulsiva necessidade humana de fugir de si mesmo e projetar no outro as sombras que prefere ignorar. Analisar os outros é uma iniciativa necessária de proteção, limite e decisão para uma melhor convivência.

2) Respeite as diferenças. Diferenças. Nada mais elementar, essencial e em sintonia com a lei do amor. Aceitar as diferenças um dia vai acabar com todos os comportamentos que só servem para julgar. Rótulos como rico, pobre, negro, homoafetivo, deficiente, gordo, ignorante, velho, ateu, e tantos outros cederão lugar à palavra: diferentes. São apenas diferentes, são apenas diferenças. Não deixe suas diferenças limitarem você. Diferenças não são defeitos

3) Não entregue sua vida para ninguém. Não delegue essa tarefa a ninguém. Ao agir assim, você transfere suas responsabilidades e, a pessoa a quem confiou o volante de sua vida saem do trajeto e se distanciam de seu roteiro e necessidades pessoais, você reclama, fazendo-se de vítima da vida. Fica magoado com as pessoas a quem delegou confiança e quando vê sua vida danificada e fora do curso de sua felicidade, tenta culpá-los por isso. Assuma o volante de sua vida

4) Não controle. Ninguém controla ninguém e quem se esforça para conseguir estabelecer esse clima de vigilância sutil, estraga a relação, incentivando a falsidade, a mágoa, a tensão da vigília e a falta de alegria na convivência.

5) Não tente mudar alguém. Você pode cuidar, colaborar, apoiar e orientar as pessoas que ama, influenciando e inspirando em suas decisões, mas quando o assunto é mudança e melhoria, isso é individual, é uma escolha pessoal, é algo que vem do coração. Querer mudar os outros é uma das maiores ilusões das relações humanas e origem de muito sofrimento. Você pode participar das mudanças de quem ama, mas realizá-las não é de sua competência.

Capa do livro


0 comentários: